SÃO FRANCISCO E A SIMPLICIDADE



Diz Tomás de Celano: “O santo, com o mais desvelado empenho, pretendia trazer em si e amava nos outros a santa simplicidade, filha da graça, irmã da sabedoria, mãe da justiça (...) Esta é aquela simplicidade que se gloria no temor de Deus, que não sabe fazer ou dizer o mal. Esta é a que, examinando a si mesma, não condena ninguém com seu julgamento e que, entregando ao melhor o devido exercício do poder, não busca nenhum poder (...) Esta é a que, em todas as leis divinas, deixando aos que hão de perecer os circunlóquios prolixos, o ornato e preciosismos de estilo, ostentações e curiosidades, busca não a casca, mas a medula, não o invólucro, mas o núcleo, não muitas coisas, mas o muito, o sumo e estável bem. O santíssimo pai buscava-a nos irmãos letrados e leigos, não acreditando que ela fosse contrária, mas verdadeiramente irmã da sabedoria, conquanto fosse para os pobres de ciência mais fácil de ter e mais pronta para praticar” (2Cel 189).

O simples entra na familiaridade de tudo, parece ter a consanguinidade de todas as relações. Francisco coloca a simplicidade como filha, irmã e mãe. Aquela que não precisa ficar só vendo o mal e condenando a tudo e a todos. A simplicidade, assim como a humildade renuncia o status do poder, por isso é irmã da minoridade. O simples é imediato, profundo, vai na essência. Não precisa de verborreia. Em vez de dizer que gosta do “precioso fruto da esposa do cantor do dia”, diz simplesmente que come ovo. O simples não entra na vaidade muito presente no mundo acadêmico, mas renuncia também o status de quem sabe para revelar a sabedoria que vem dos que não complicam a vida.

FREI VITÓRIO MAZZUCO

SÃO FRANCISCO E A SIMPLICIDADE SÃO FRANCISCO E A SIMPLICIDADE Reviewed by Juventude Franciscana Florianópolis on 20.4.17 Rating: 5

Nenhum comentário:

Deixe aqui o seu comentário! A Juventude Franciscana alegre-se em receber sua mensagem! Gratidão! Paz e Bem.

Jéssica Pires